A Análise Ergonômica auxilia na identificação e prevenção de doenças.

Ainda não compreendida por alguns profissionais da área de SST, a AET - Análise Ergonômica do Trabalho - serve como ferramenta de prevenção de doenças relacionadas com agentes como: Postura inadequada, movimentos repetitivos, jornada prolongada e agentes relacionados ao estresse físico e mental.


Segundo a FIOCRUZ as doenças causadas por este agentes comprometem milhares de trabalhadores, no Brasil.

Os riscos ergonômicos podem gerar distúrbios psicológicos e fisiológicos e provocar sérios danos à saúde do trabalhador porque produzem alterações no organismo e estado emocional, comprometendo sua produtividade, saúde e segurança, tais como: LER/DORT, cansaço físico, dores musculares, hipertensão arterial, alteração do sono, diabetes, doenças nervosas, taquicardia, doenças do aparelho digestivo (gastrite e úlcera), tensão, ansiedade, problemas de coluna, etc.


Para evitar que estes riscos comprometam as atividades e a saúde do trabalhador, é necessário um ajuste entre as condições de trabalho e o homem sob os aspectos de praticidade, conforto físico e psíquico por meio de: melhoria no processo de trabalho, melhores condições no local de trabalho, modernização de máquinas e equipamentos, melhoria no relacionamento entre as pessoas, alteração no ritmo de trabalho, ferramentas adequadas, postura adequada, etc.


As ferramentas e métodos utilizados para a realização das Análises devem possibilitar a avaliação da tarefa de forma a identificar e reconhecer os pontos mais relevantes do processo de trabalho. Para isso a quantidade de informações, inicialmente qualitativas, servirão de base para tomadas de decisões quanto a necessidade de partir para as avaliações quantitativas.



O que acarreta o descumprimento das normas de ergonomia?


Para o empregador, caso a irregularidade das normas de ergonomia sejam constatadas, a empresa recebe uma notificação. Com um isso, um prazo que pode variar de 1 a 60 dias para a correção do problema é estipulado.


Com a decorrência daquele prazo, outra inspeção é realizada. Se a irregularidade continuar, é aplicada uma multa à empresa, podendo ainda ser necessário responder a processo perante a Justiça do Trabalho.


Para o empregado, a recusa sem justificação ao cumprimento da norma pode levar à demissão do cargo por justa causa. Afinal, o problema será caracterizado como ato faltoso.

Diante dessas consequências negativas, tanto para a empresa quanto para os funcionários, as normas de ergonomia tornam-se ainda mais relevantes. Portanto, toda atenção e cuidado às exigências da NR-17 são fundamentais para que sejam evitados problemas futuros.


Renê Mende de Oliveira - Especialista em Higiene e Segurança do Trabalho

0 visualização